Tipos de Cultura Organizacional: Qual é a Melhor Para a Sua Empresa?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
A cultura organizacional é um conjunto de regras e condutas que são estabelecidas ao realizar o planejamento estratégico de uma empresa. Ela se baseia na missão, visão, valores, código de ética empresarial, normas de conduta e outros aspectos que devem ser respeitados pelos funcionários.

É importante reconhecer em qual tipo de cultura organizacional sua empresa se encontra, pois dessa forma é possível compreender como é a relação entre liderança e colaboradores e dar orientação para que todos rúmen a um mesmo objetivo.

Neste artigo você vai entender quais são os tipos de cultura organizacional mais utilizados e que foram mostrados pelo especialista em behaviourismo Charles Handy em seu livro “Como compreender as organizações”, de 1976.

E também vai conhecer outros tipos de cultura organizacional, como eles funcionam dentro das empresas e assim descobrir em qual deles sua companhia se encaixa.

» Sistema Online de Recrutamento e Seleção
Recrute de forma Assertiva com Análises Comportamentais e Diminua o Turnover com a Gestão de Talentos!

Com o RHbot você encontra o talento ideal para cada vaga, criando um processo seletivo mais ágil e assertivo. Automatizando processos você elimina erros e economiza dinheiro!

Cadastre-se no link abaixo, experimente nosso sistema online de forma gratuita e transforme os resultados do seu RH.

Cultura do poder

Nesse tipo de cultura organizacional a liderança é centralizada no administrador e a empresa apresenta um formato de teia. Geralmente esse tipo de cultura ocorre em pequenas empresas.

Os funcionários são orientados a alcançar resultados, o que pode causar competição entre eles, podendo gerar conflitos internos.

Por isso o crescimento da empresa fica limitado, não permitindo o crescimento e desenvolvimento de sua equipe.

Os colaboradores tem dificuldade em desenvolver habilidades e competências, pois encontram barreiras para a implantação de atitudes inovadoras.

Enquanto que a liderança geralmente é patriarcal, carismática e impulsiva e mesmo que haja uma tentativa de inspiração as recompensas são oferecidas de acordo com o nível de interação com o líder.

Por isso acaba cada um pensando apenas em si mesmo e o coletivo geralmente não é considerado, assim há a ausência de princípios éticos e profissionalismo.

Cultura de papéis

Já esse tipo de cultura organizacional tem como foco principal o desempenho dos colaboradores, trabalhando através da lógica e racionalidade.

É mais comum ver esse modelo em oligopólios e monopólios, que o escolhem para ter mais clareza nos fluxos de trabalho e assim evitar erros e acidentes.

Os processos são bem estruturados, no entanto são pouco flexíveis. Os níveis hierárquicos também são bem estabelecidos e não há espaço para sugestão de novas ideias e aprimoramento das atividades.

Cada funcionário faz apenas o que está determinado para ele. Por isso a execução do trabalho tende a ser mais lenta e os profissionais acabam ficando acomodados, não se importando em se desenvolver.

Também há pouca interação entre os colaboradores e setores, o que acaba prejudicando a solução de problemas.

Além disso, a liderança não dá espaço para os funcionários sugerirem novas ideias.

Cultura de tarefas

Esse modelo como o nome já diz é focado nas tarefas, por isso tem profissionais específicos para realizar as atividades para adquirir conhecimento.

Os funcionários têm como objetivo solucionar problemas e estão aptos a lidarem com diferentes tipos de situação.

Por isso a empresa é mais flexível, sendo que o ritmo depende dos acontecimentos. Assim os profissionais têm mais liberdade para agir e se sentem mais motivados no trabalho.

Nessa cultura organizacional a criatividade também é valorizada, até mais que as regras, pois o que realmente importa são os resultados.

Cultura de pessoas

Esse tipo de cultura organizacional se foca nos interesses dos colaboradores, sendo que eles são muito valorizados. É possível ver esse modelo em empresas novas, principalmente as startups, onde há pouca hierarquia e o trabalho é autogerenciado.

Há uma integração maior entre as equipes, sendo que os profissionais tem a possibilidade de se desenvolverem. Eles têm liberdade para sugerir ideias e ainda contam com um bom plano de carreira.

Os gestores têm como objetivo reter talentos e formar líderes para continuarem seu legado.

No entanto esse modelo pode acabar se esquecendo de outros aspectos como a infraestrutura e o relacionamento com os parceiros. Por isso é bom ficar atento para manter o equilíbrio da empresa.

Outras culturas organizacionais

Além das culturas organizacionais observadas por Charles Handy em seu livro também há outras culturas que foram elaboradas por outros autores e mostram diferentes aspectos da gestão de pessoas e competências.

Culturas organizacionais de Nirmal K. Sethia e Mary Ann Von Glinow

Em seu livro “Gaining control of the corporate culture”, lançado em 1985, os autores observaram quatro tipos de cultura:

  • Apática – ambientes em que a liderança é incapacitada, o que gera indiferença, desmotivação e cinismo nas equipes.
  • Cuidadosa – nesse modelo a empresa se preocupa com o bem-estar de seus membros.
  • Exigente – essa cultura é focada no desempenho e sucesso, tendo sistemas de recompensa generosos e metas agressivas.
  • Integrativa – esse modelo valoriza seus funcionários e incentiva o desempenho, sendo centrada na retenção de profissionais talentosos.

 

Culturas organizacionais de Frons Trompenaars

Em seu livro “Nas ondas da cultura: como entender a diversidade cultural nos negócios”, lançado em 1994, o teórico organizacional trouxe uma visão mais atual desse assunto, apresentando os seguintes tipos de culturas organizacionais:

  • “A Família” – esse modelo apresenta relações mais próximas, mas preserva a hierarquia e tem como objetivo o poder.
  • “Torre Eiffel” – esse tipo de cultura organizacional é parecido com a cultura de papéis, apresentando burocracia e relações impessoais, tendo predominação de lógica e subordinação.
  • “Míssil Guiado” – esse modelo apresenta uma visão diferente onde a lealdade à profissão supera o comprometimento com a empresa, sendo uma cultura igualitária.
  • “Incubadora” – também apresenta um sentimento igualitário e serve como incubadora para a autossatisfação e expressão.

 

Por que a cultura organizacional é importante para as empresas?

A cultura organizacional é o que dá direção às empresas, pois ela apresenta crenças, hábitos, valores éticos e morais e comportamentos e políticas da companhia.

Dessa forma ela afeta os funcionários, direcionando seus comportamentos. Assim ela contribui para a satisfação dos clientes e melhores resultados.

É importante que a cultura organizacional seja formalmente estabelecida, dessa forma é possível estruturar a empresa, fazer com que os colaboradores se sintam valorizados e assim aumentem seu desempenho.

Além disso, aumenta a produtividade e assegura que o trabalho seja mais sinergético e ordenado. Possibilitando que todos ajam da mesma forma em diferentes situações, assim caminhando em sintonia.

Como reconhecer o tipo de cultura organizacional da sua empresa?

Se você deseja reconhecer o tipo de cultura organizacional da sua empresa você deve analisar minuciosamente alguns aspectos de sua companhia para poder identificar em qual modelo ela combina.

A cultura organizacional é definida por três aspectos principais:

  • Missão: objetivo da existência da empresa;
  • Visão: onde deseja chegar em determinado intervalo de tempo;
  • Valores: características que direcionam as relações de trabalho.

 

Esses três aspectos são importantes, pois através deles é possível se posicionar no mercado, por isso tanto os funcionários como os clientes devem estar cientes dessas características.

Outros aspectos que devem ser considerados para reconhecer a cultura organizacional são os objetivos que a empresa deseja alcançar em curto e longo prazo, pois apresentam a ligação dos funcionários aos valores traçados.

É importante que os objetivos se ajustem ao que representa a cultura organizacional da empresa, se for o contrário é necessário revisá-los.

Você também deve verificar como os processos internos são realizados, como os funcionários reagem a mudanças e o que fazem para cumprir as metas.

No entanto sua empresa pode não apresentar apenas um tipo de cultura organizacional, é possível que haja a mistura de dois tipos. É importante reconhecê-las e analisar se elas estão de acordo com os objetivos da companhia.

É importante observar também que alguns tipos de cultura causam danos à empresa, pois não incentivam o trabalho em equipe, o desenvolvimento da carreira do funcionário, a criatividade e inovação, a melhoria dos processos e o relacionamento com os clientes, entre outros.

Assim sendo é importante fazer um planejamento para definir o que deve ser feito e qual o melhor tipo de cultura organizacional que deve ser implementado.

» Processos Seletivos + Rápidos e Eficientes
Recrute de forma Assertiva com Análises Comportamentais e Diminua o Turnover com a Gestão de Talentos!

Com o RHbot você encontra o talento ideal para cada vaga, criando um processo seletivo mais ágil e assertivo. Automatizando processos você elimina erros e economiza dinheiro!

Cadastre-se no link abaixo, experimente nosso sistema online de forma gratuita e transforme os resultados do seu RH.

E como é a cultura organizacional na sua empresa?

Como você pode ver neste artigo a cultura organizacional é essencial em uma empresa, pois através dela é possível dar direção à companhia, ajudando a direcionar o comportamento dos funcionários que se basearão em nas crenças, valores éticos e morais, hábitos, políticas e comportamentos da organização.

Isso faz com que os clientes fiquem mais satisfeitos e os resultados sejam melhores. No entanto todo tipo de cultura organizacional que foi apresentado tem suas qualidades e defeitos.

Encontrada em pequenas empresas, a cultura de poder apresenta uma liderança centralizada e um formato de teia, onde os funcionários são orientados a alcançar resultados, o que pode gerar competição e conflitos internos, assim impedindo o crescimento e desenvolvimento da equipe.

A cultura de papéis já é encontrada em monopólios e tem como foco o desempenho dos colaboradores, apresentando processos bem estruturados e pouco flexíveis, o que ajuda a evitar erros e acidentes, mas ao mesmo tempo não dá espaço para o desenvolvimento dos profissionais.

Já a cultura de tarefas foca na solução dos problemas e prepara os profissionais para lidarem com diferentes tipos de situação, dando mais liberdade e mantendo-os mais motivados, no entanto não se importa com as regras, deixando-as de lado, focando apenas nos resultados.

Por outro lado a cultura de pessoas focaliza os interesses dos funcionários, valorizando-os mais e possibilitando que os profissionais se desenvolvam, porém acaba se esquecendo de outros aspectos importantes como a infraestrutura e relacionamento com os parceiros.

Por isso é bom analisar em qual tipo de cultura organizacional sua empresa se adéqua e se empenhar para solucionar os problemas que a cultura definida apresenta, dessa forma poderá haver equilíbrio e sua empresa poderá se desenvolver melhor.

Não vá embora! Veja nossos Artigos mais Recentes:

O que podemos fazer
para melhorar sua gestão?

Clique no botão abaixo que teremos o prazer em ajudá-lo.

Contato

    RJ: (21) 3005.4074

    DF: (61) 2626.2705

    BA: (71) 2626.1205

    MG: (31) 2626.9127

    PR: (41) 2626.1267

    RS: (51) 2626.3109

Qual Solução você gostaria?